quarta-feira, 9 de julho de 2008

Fotos de "A História Ainda Mais Rapidinha do Funchal" no Dolce Vita










O amigo Evandro tirou estas fotos da nossa actuação no Dolce Vita. Para ele o nosso muito obrigado!!!

3 comentários:

Anónimo disse...

Crise? Qual Crise?
Vejamos o que os dados oficiais dizem sobre a situação na Madeira:

- perdeu 500 milhões em fundos da UE;

- metade das explorações agrícolas desapareceram;

- o volume de pescado diminuiu e a região é a 2.ª com menos pescadores;

- a contrução diminui à média de 12,3% ao ano;

- o número de falências aumentou 40%;

- a taxa de desemprego atinge os 6,8%, o nível mais alto desde há 30 anos;

- cerca de 22% da população, 22 mil madeirenses, estão na pobreza;

- a divída pública regional é já 600 Milhões. Isto é 75% do PIB empolado, ou 95% do PIB real depois de descontado os 21% que se referem à Zona Franca;

- em 2000 os impostos pesavam 56% nas receitas, em 2006 o peso dos impostos para os madeirenses era já de 65% e a aumentar;

- IRS e IRC são cerca de 17% mais elevados do que nos Açores;

- os produtos de 1.ª necessidade são mais caros devido ao modelo de gestão dos portos;

- a gasolina sem chumbo 95 custa mais 12% do que nos Açores; a gasolina 98 custa mais 13,4%; o gasóleo rodoviário mais 43,5%; o gasóleo agrícola mais 63,3%; o gasóleo para as pescas mais 66,2%;

- o ordenado minímo cresceu apenas 2% enquanto que cresceu 5% nos Açores.

In http://farpasdamadeira.blogspot.com/

Anónimo disse...

Sócrates empresta 256 milhões de euros a Jardim para pagar dívidas a fornecedores
PÚBLICO 23.07.2008, Tolentino de Nóbrega
Madeira absorve 79 por cento do crédito Pagar a Tempo e Horas criado pelo primeiro--ministro ontem acusado pelo PSD-M de ultrapassar "o ditador Salazar"
A secção regional do Tribunal de Contas (TC) deu o seu aval à operação de crédito concedido pelo Governo da república ao executivo da região autónoma, no âmbito do programa Pagar a Tempo e Horas. A operação permite à Madeira absorver 79 por cento do total de uma linha de crédito de 335 milhões de euros disponibilizados pelo Governo da república para as regiões autónomas e autarquias de todo o país.
O tribunal, por não encontrar qualquer impedimento legal, considerou isento de visto o empréstimo. A autorização do TC coincide com novos ataques de Alberto João Jardim a José Sócrates; o chefe do Governo Regional acusou o primeiro-ministro de "vingar-se no povo madeirense", a propósito da abertura de uma linha de crédito a empresas portuguesas para investimentos em Angola. "Um país teso como Portugal vai a Luanda abrir linhas de crédito", enquanto na Madeira, "que precisa de créditos", "o primeiro-ministro proibiu a Madeira de recorrer ao crédito", disse o governante madeirense numa inauguração em Câmara de Lôbos.O empréstimo agora concedido à Madeira para "pagar a tempo e horas" aos fornecedores é inferior ao montante (270 milhões) de encargos assumidos e não pagos pelo Governo regional em 2007 e corresponde a um décimo da sua dívida global. A Madeira tem um prazo médio de pagamento a fornecedores de 284 dias, prazo que o programa nacional pretende encurtar para 30 dias.Ao nível das autarquias, o Funchal, com um valor próximo de 10 milhões, lidera a lista das 36 candidaturas aceites para o financiamento de dívidas atrasadas. A nível nacional, dois municípios madeirenses, Santa Cruz (1013 dias) e Calheta (990) surgem no topo da lista dos municípios que mais demoram a pagar a fornecedores de bens e serviços que, segundo dados relativos ao quarto trimestre de 2007, é liderada por Silves (1154 dias)."Pinóquio mentiroso"Ontem, o líder do PS-M, João Carlos Gouveia, acusou Jardim de, com as suas declarações, "manipular a opinião pública", "instigar os madeirenses contra os continentais" e "os órgãos regionais contra os titulares de órgãos de soberania". "O Governo da república cria uma linha de crédito de apoio directo às exportações dos produtos portugueses e o presidente do Governo regional mente ao falar de perdão de divida e empréstimo directo a Angola", disse Gouveia. Que frisou ainda que daquela linha de crédito poderão beneficiar empresas madeirenses que, face à grave crise na região, estão a investir em Angola.Também ontem, mas no parlamento regional, o líder parlamentar do PSD, Jaime Ramos, criticou os socialistas locais por "total submissão às políticas destruidoras, vingativas e coloniais do desgoverno da república liderado por um Pinóquio que já ultrapassou, em tudo, o ditador Salazar". Ao nível das autarquias, o Funchal, com um valor próximo de 10 milhões, lidera a lista das 36 candidaturas aceites entre 43 apresentadas para o financiamento de dívidas atrasadas.
http://farpasdamadeira.blogspot.com/

Anónimo disse...

Golfe mete ainda mais água

Hoje no Diário de Notícias vem na primeira página uma notícia particularmente escandalosa. A Sociedade de Desenvolvimento quer construir uma central dessalinizadora por causa do campo de golfe!!!

Já em tempos tinha escrito sobre a água para o campo de golfe. Vale a pena voltar a trás e reler o que escrevi na altura... se calhar até reler a notícia do DN-Madeira de então...
http://melhor-do-que-o-teu.blogspot.com/2008/03/golf-mete-agua.html

Parece que a solução da Sociedade de Desenvolvimento para viabilizar o negócio do campo de golfe é construir uma central de dessanilização própria.

Vamos fazer umas contas simples... O campo de golfe gasta por ano 1 300 000€ e gera receitas anuais de 330 000€. Ou seja, com os dados actuais dá um prejuízo de 970 000€/ano.

Na notícia de Março do DN-Madeira dizia que o custo da água era de cerca de 300 000€/ano (1/3 das despesas), mas já nessa altura as contas não batiam certo, pelo que afirmei que o custo da água deveria ser de 750 000€/ano... Agora confirmo as minhas contas.
Dizem na notícia do DN-Madeira de hoje (http://www.dnoticias.pt/Default.aspx?file_id=dn04010707050808) que o campo consome 1500m3/dia (ou 2000 se contarmos com a água da ETAR), o que ao preço mais baixo da tabela 1,40€/m3 dá 750 000€...

A proposta da Sociedade de Desenvolvimento do Porto Santo é investir numa dessalinizadora, esperando assim reduzir o custo da água para metade do que paga ao IGA... Ora, sabendo que o custo de produzir água no Porto Santo é 4x superior ao que acontece na Madeira, mas que o preço praticado pela água é igual em todo o arquipelago, a expectativa de produção da nossa dessalinizadora é reduzir o custo da produção da água para 1/8 do custo actual!!!
Se essa dessalinizadora é assim tão boa porque é que o investimento não é feito pela IGA e para benefício de todos?
Mesmo assumindo que o custo de produzir água para regar a relva não é tão exigente como a água para consumo, parece-me uma diferença de custo demasiado elevada para ser verdade...

Mesmo assim, esta eventual redução para metade do custo da água não tornaria viável operacionalmente o campo de golfe. Mesmo ignorando custos de investimento e manutenção da nova central, o novo custo da água apenas diminuiria o prezuído anual dos 970 000€/ano para 595 000€/ano.

Na notícia de hoje é ainda dito que se poupará no transporte de água... Ora como o mar continua à cota zero, e o campo de golfe não vai ficar mais baixo, não estou a ver como é que se poupará no transporte de água... Não me digam que andam a transportar água de camião para regar a relva do golfe...(?!?!)

Mas a notícia diz mais! A Sociedade de Desenvolvimento pretende instalar uma central com capacidade para 5000m3, ou seja, 2,5 vezes a capacidade que supostamente necessita neste momento... e que para isso será necessário um investimento inicial de 2,5 milhões de euros.

Ora se forem rigorosas as contas do Periodo de Recuperação do Investimento (PRI) que dizem ser de 10 anos, isso significa que existem custos de manutenção muito elevados da ordem dos 125 000€/ano... Mas como eu não acredito que as contas do PRI sejam rigorosas nem vou levar o meu argumento por essa via...

Ter uma tão grande capacidade para produzir água que só serve para regar plantas (??) só é justificável se existirem mais plantas para regar.

A sociedade de desenvolvimento quer aumentar dos actuais 27 buracos (18+9) para 45 buracos (18+18+9). Ora isso obriga a aumentar a área regável em 65%, ora isso significa que a quantidade de água por dia passará a ser ~3400m3/dia.

Isto significa que o que se ganhou em reduzir o custo da água para metade, perde-se com o gastar mais água para regar mais área de relva!

Resumindo, as contas do campo de golfe após o investimento na central de dessalinização serão as seguintes:

Despesas Anuais
Água (3400m3/dia) ao preço de 0,70€/m3 = -868 700€
Despesas de manutenção da central = -125 000€
Outras despesas supondo manutenção dos
custos actuais (1 300 000€-750 000€) = -550 000€
-----------------------------------------------------------
Total das despesas = -1 543 700€


Receitas Anuais ???
Se triplicassemos o número de golfistas
e mantivessemos os custos... (3x6000x55€)
Actualmente a receita média por golfista é de 55€.
-----------------------------------------------------------
Total das receitas = +990 000€


-----------------------------------------------------------
Saldo Operacional (ignorando custos de
investimento e juros) = -553 700€

Período de Recuperação do Investimento? NUNCA!

Para atingir o break even seriam necessários 28 067 turistas/ano a jogar golfe no Porto Santo... Actualmente temos 6000 turistas/ano. (Estou a ignorar as receitas dos locais porque os que jogam golfe são uns tesos que só deixam calotes, porque têm costas largas...)

Supondo que se mantém a média de apenas 2,9% dos turistas que vão ao Porto Santo jogarem golfe no Porto Santo, então podemos extrapolar que o número de turistas a visitar o Porto Santo por ano andará perto do 1 milhão... Ah! Ah! Ah!

Bem sei que o texto atrás tem muitas suposições...
Mas é impossível ter 1 milhão de turistas por ano no Porto Santo...
Como também é impossivel ter 28 067 turistas por ano no Porto Santo a jogar golfe... Como também é impossível aumentar 4 vezes as receitas médias por golfista...
Como também é impossível manter os custos extra água com um aumento brutal do número de turistas...
Como também me parece impossível reduzir o custo da água dessalinizada para 1/8 do custo de produção actual...

Assim sendo, reafirmo a ideia que o campo de golfe do Porto Santo é um buraco sem fundo. Não há racionalidade nenhuma neste investimento e não é justificável estratégicamente este investimento! Mais valia comprar aviões e trazer turistas a 1€! Dava menos prejuízo...

O investimento no Golfe no Porto Santo é um custo afundado... não vale a pena deitar mais água em cima!

Há gestores fantásticos não há? E políticos fantásticos? Xiiii!


in http://melhor-do-que-o-teu.blogspot.com/